Atividades no Microsoft Innovation Center

Na listagem abaixo descrevo as principais atividades desempenhadas no laboratório, qualquer dúvida me contacte.

20/10/09
- Não tivemos que instalar o Storage Server, fizemos um hack no iSCSI Target e agora ele instala em qualquer versão do Windows, com isso algumas máquinas da Geladeira se tornaram Storage. Inicialmente colocamos a A1, A2 e A3 como Target Portals.
- Retiramos o switch de dentro da Geladeira e colocamos ele pra servir a rede de migração, o switch gigabit com 8 portas foi colocado para ser a rede interna do cluster.
- Fizemos a instalação do Hyper-V Server 2008 R2 nas máquinas do FO Cluster (morango, limão) e configuramos nelas o Failover Clustering e ferramentas de administração remota. Conseguimos configurar o FO Cluster e só falta configurar o Cluster Shared Volumes para permitir a migração de máquinas.
- Tudo que foi feito está descrito no documento do projeto.


09/10/09
- Passarei, a seguir, o status corrente das minhas atividades no lab.
- Desistimos de colocar o InteropRouter no cluster Geladeira, porque a máquina tem pouca memória e já tem muito trabalho para fazer, como o DFS e toda a infra de um cluster, a máquina tem apenas 1GB sendo que o Windows com os serviços consome 900MB, realmente não dá. Ficou decidido então que a máquina será apenas o Storage Area Network da Gelatina, o SAN é necessário para fazer Live Migration das VMs no Hyper-V, assim ao se migrar uma VM o sistema precisa migrar apenas o binding para o disco na SAN, nenhum dado de HD precisa ser movido.
- Também decidimos transformar as workstations QuadCore em Hyper-V Servers, remetendo as P4 que eram o cluster linux antigo para serem as novas workstations. O trabalho agora é formatar as workstations Mario, Luigi e Marvin para instalar o Hyper-V. Antes de formatá-las será preciso fazer o backup de VMs e outros arquivos das máquinas.
- A primeira tarefa foi então instalar o DFS na Geladeira. Mas primeiro, percebemos que a geladeira estava bem buggada, os serviços paravam de funcionar do nada, o Cluster Manager não funcionava mais e tal, eu e o Raul tentamos resolver de tudo quanto é jeito mas não funcionou, resolvemos por formatar a máquina e instalar desta vez o Win Server 2008 Standard. Com a fresh install começamos por instalar o Active Directory DS para configurar o domínio do cluster "geladeira.local". Para isso configuramos o DHCP e o DNS, no DHCP foi decidido usar reservas de IP para as máquinas do cluster. O passo final foi instalar o HPC Pack novamente e o cluster passou em todos os testes.
- Com o cluster configurado partimos para a instalação e configuração do DFS, isso foi uma tarefa muito sofrida e pedagógica. Uma lição leia bem sobre como funciona algo antes de começar a usar.
- De maneira simples, o DFS funciona como uma organização lógicas de pastas compartilhadas espalhadas por máquinas da rede. Os DFS Servers mantém a raiz de uma árvore chamada namespace, neste namespace podem ser adicionadas pastas na hierarquia que podem ter referência a 1 ou mais pastas compartilhadas por qualquer máquina da rede. Estas pastas são chamadas target folders e representam o local físico de uma pasta do namespace. Mais de um target pode ser atribuído a uma pasta e então quando algum usuário acessa a pasta é retornada uma lista para ele com os endereços dos servidores que tem as targets em sequência, o usuário então tenta em sequência acessar a pasta. Assim desta maneira, pode haver inconsistência entre os dados nas pastas porque ao se alterar um arquivo em uma pasta ele não é propagado de forma automática para as outras. Uma solução para isso é usar a DFS Replication, que de forma simples mantém as target folders de uma pasta sincronizadas, cada alteração em uma das pastas é propagada para a outra, isto além de aumentar a consistência do sistema aumenta a disponibilidade, por exemplo, um dos servidores pode cair e mesmo assim o cliente consegue o mesmo dado no outro servidor.
- A dor de cabeça que tivemos foi que achávamos que os dados dos compute nodes eram buscados pelo head node e enviado para os clientes. Isto porque colocamos apenas o head node em contato com os Hyper-V. Mas não é assim que funciona como expliquei acima, então as máquinas recebiam o IP de máquinas do cluster e logicamente não conseguiam acessar porque não estão na rede do cluster. A solução agora pensada é ligar todas as máquinas do cluster na rede de migração de VMs, reduzindo o gargalo que o uso apenas do head node representaria.
- Nós utilizamos o DFS para, após algumas etapas que ainda serão desenvolvidas, se tornar o SAN necessário para o grupo de máquinas Hyper-V. O DFS ajuda nisto porque todo o FS formado por pastas nos HDs do cluster virem logicamente apenas um FS único tendo como raiz o namespace, o acesso é feito da forma \\NamespaceServer\NamespaceRoot, isto é essencial para o nosso SAN. Para isso ainda precisaremos configurar o iSCSI e outros serviços. Esperamos que ligando o cluster todo em rede com as Hyper-V este problema de falha no acesso seja resolvido.
- Pesquisas indicam que para rodar o iSCSI Target Software da Microsoft precisaremos instalar o Windows Storage Server na A1. Talvez haja alguma maneira de instalar no W2k8Standard mas é extra-oficial... Temos que ver se isso funciona com o DFS.

01/10/09
- De madrugada o cluster parou de funcionar, o HPC Management Console não estava mais funcionando. Concluímos que os problemas são na rede, já que as máquinas do cluster também possuem uma conexão com a rede externa. Resolvemos deixar apenas o head node (A1) conectado na rede externa, e as outras máquinas conectadas apenas na rede interna.
- Após ter feito as mudanças na rede, reinstalei e reconfigurei o DNS e DHCP. A configuração do DNS é simples, o mais importante é configurar o DNS forward para o endereço da Jequitiba e configurar o IP do head node na rede interna como estático. Já no DHCP é preciso criar um escopo para a rede interna.
- Reinstalei o HPC Pack no head node e configurei novamente o cluster. Uma dica é não criar o template com a opção Windows Update, pois isso irá fazer a configuração falhar.
- O head node agora também conta com SQL Server 2008 e IIS. Falta configurar o PHP no IIS.
- A etapa final do head node é configurar o InteropRouter para funcionar nele.
- Outra tarefa proposta é instalar o Hyper-V Server em uma das antigas máquinas de trabalho e montar nela um cluster windows virtual.

29/09/09
- Terminei de formatar e configurar as máquinas da geladeira. Instalei o Windows Server 2k8 Datacenter no HeadNode (A1) e Windows HPC Server 2k8 nos outros nós. O nó B3 está defeituoso.
- O DNS estava com alguns problemas por conflitos com a rede externa (enterprise), então apaguei o DNS da jequitiba da conexão e deixei apenas a A1 como DNS dela mesma. O truque foi colocar a jequitiba como forward do DNS Server da A1.
- Instalei o HPC Pack no headnode e nos compute nodes para criar o Cluster Windows Geladeira. Esta máquina irá servir o SQL Server do InteropRouter e irá rodar o InteropRouter.
- Cluster configurado e instalado com 1 head node e 6 compute nodes. Todos os testes foram bem sucedidos.
- Próximas tarefas: instalar o SQL Server e deixar o InteropRouter rodando no cluster.
- Após a configuração deste cluster tentar entender como funciona o cluster linux e se possível instalar um cluster linux virtualizado com KVM.

23/09/09
- Estou tentando até o fim habilitar o VT-x no cluster Geladeira, caso não seja possível irei instalar o HPC Server nas máquinas e ele ficará como sendo um cluster físico.

14/09/09
- Li vários materiais sobre SCRUM, a maioria do site do Brod. Algumas apresentações em PPT e vídeos do Jeff Sutherland.
- Baixei vários programas do Python e tutoriais para aprender a usar.
- Estou com o código-fonte do projeto InterOp Router para ler e aprender como ele funciona.
- Também li o material The Cathedral and the Bazaar. Muito interessante mostrando como o sistema open-source e colaborativo do Linux e outros grandes projetos open-source funcionam mesmo não obtivando gerar lucro.
- Procurar novas atividades pra fazer, de preferência mais técnicas.
- Terminei de ler os slides do Brod sobre o básico de Scrum, seria interessante ler o livro do Ken Schwarber.

Last edited Oct 21, 2009 at 9:24 PM by gustavomart, version 4

Comments

No comments yet.